Retinopatia da Prematuridade (ROP)


O que é?

A retinopatia da prematuridade (ROP) é uma doença fibrovascular,
vasoproliferativa, bilateral, da retina periférica de recém-nascidos
pré-termo.  Trata-se da maior causa de cegueira infantil no Brasil e na
América Latina, 80% dos bebês prematuros que nascem com peso entre
750-1000g vão desenvolver ROP, 10% destes podem ficar cegos sem
tratamento. Ela pode levar ao comprometimento visual de várias formas:  

1.       Regressão da doença com tração retiniana e deslocamento macular

2.       Descolamento parcial ou total da retina

3.      Catarata, atrofia bulbar...


Por que ocorre?

A Retinopatia da prematuridade ocorre porque o olho do bebê, quando nasce prematuro, ainda não completou seu desenvolvimento. Nos bebês prematuros os vasos que nutrem a retina (que é a parte do olho que capta a visão) ainda não terminaram o desenvolvimento (ainda deveriam estar na barriga da mãe), e vão ter que crescer num ambiente diferente daquele controlado de dentro do útero. Assim, alguns prematuros podem desenvolver vasos frágeis, que sangram, tracionam e podem descolar a retina. Quanto mais prematuro é o bebê ou menor o seu peso ao nascimento, maiores as chances dele desenvolver a doença.

Como evitar?

Todo prematuro que nasceu antes de completar 32 semanas de gestação ou
nasceu com peso inferior a 1500g deve ser examinado por um oftalmologista
especializado em retina, entre  4 e 6 semanas de vida. Outros fatores
de risco são uso de oxigênio e doenças associadas – quanto mais grave
o bebê, maiores as chances de desenvolver a doença.
A maioria dos
bebês evolui bem, mas quando a doença não é tratada e evolui mal, o
bebê fica cego em geral ao redor dos 3 meses de idade.

Há tratamento?

Há tratamento para as fases inicias da doença: crioterapia ou laser na retina periférica para evitar o seu descolamento. Se já ocorreu descolamento de retina, são necessárias cirurgias mais invasivas, com maior risco de não haver recuperação da visão.